domingo, 6 de março de 2011

Textos: Desamor - Brenda Carvalho


Eu queria que a dedicação que tenho as palavras conseguisse fazer com que as mesmas definissem o que sinto quando de tempo em tempo volto pra me consolar com elas.

Hoje eu to triste, to me sentindo um NADA, aquilo que eu realmente sou pra muitos, muitos que dou valor por sinal, muitos que amo, muitos que eu daria a minha vida só   pra ver sorrindo, mas que eu me faço menos importante.

Eu queria tanto ser feliz sozinha, ser capaz de me destruir e me construir apenas quando achar que devo, mas a cada curva eu me pego completamente incapaz, no pó, sem força ou até mesmo vontade pra me reerguer e prosseguir.

 Tenho uma vontade incrível de chorar, hoje eu me pressionei a ser mais humana, a perdoar uma pessoa que cheguei a duvidar que possuísse um coração, e se possui eu duvido que exista sentimento, sensibilidade e nem mesmo na mente um pensamento de bondade... Em momento nenhum eu pensei em mim, eu pensei em como ficou a minha mente, ignorei duramente a dor que ficou, e nem contei os pedaços que ficou o meu coração, foi simplesmente a renúncia de me fortalecer pela consciência tranquila de um despreocupado comigo.

Me sinto inconformada com o “Desamor” que as pessoas criam dentro de si, e com a ingenuidade ou falta de caráter de despertar o amor de outras pela maldade de ver chorar... Se foi essa a estratégia comigo, foi perfeita, certa, sem igual e finalmente cruel.
Mas pra provar a minha sinceridade desde SEMPRE, em tudo que eu disse, eu prefiro te ver sorrindo, que morrer por te ver chorando.

 (Brenda Carvalho).